Síndrome do ninho vazio: Quando os filhos saem de casa

Já ouviram falar na "A Síndrome do Ninho Vazio" é quando os filhos vão morar sozinhos e na maioria das vezes longe. Vejam como conviver com isso.

25/07/2012 14h50m. Atualizado em 20/11/2014 00h24m por:

 

sindrome do ninho vazioRecentemente, assisti uma cena na novela Avenida Brasil, muito ilária e ao mesmo tempo, dramática. A cabelereira Monaliza (Heloísa Perissé) se desespera e se joga na frente do carro do filho único, Iran (Bruno Gissoni) na tentativa de impedir que “o pior” aconteça: seu eterno bebê está de malas prontas para ir morar com o amigo Jorginho (Cauã Reymond).

Na hora da cena eu caí na gargalhada mas, depois fiquei comovida com o desespero daquela mãe que não sabia o que seria da vida sem seu filho amado ao seu lado. Confesso que me emocionei. Fiquei pensando como vou me portar quando tiver que me despedir de meus futuros filhos: nossa, deve ser difícil mesmo?

Essa situação vivida pelos personagens da novela global, retrata uma realidade cada vez mais comum no dia a dia: uma hora os nossos filhos vão inevitavelmente crescer e, consequentemente, almejam sua independência que muitas vezes se inicia morando longe da família. É aí que a coisa complica: muitas mães não se adaptam a essa situação e desenvolvem uma série de atitudes, denominadas pelos médicos de Síndrome do ninho vazio.

A síndrome do ninho vazio atinge pais que tem filhos que saem para morar fora de casa e até mesmo, aqueles que têm seus bebezões estudando no exterior. Em ambos os casos, lidar com a dor da ausência física dos filhos é uma tarefa bem difícil e dolorosa.

“Existem mães que chegam a elaborar um quadro de luto, uma depressão profunda “,explica o pesquisador de medicina comportamental da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ricardo Monezi.

Quando os filhos saem de casa: Como lidar com o vazio que fica

O médico explica que, em casos de pais com filhos em intercâmbio, é mais fácil lidar com essa ausência que, a princípio é por um período determinado, ou seja, eles sabem que os filhos voltam pra casa ao fim dos estudos (fora aqueles que se encantam com o país de decidem ficar por lá mesmo…).

Mas, o que fazer para lidar com esse vazio que tanto lhe atormenta dentro de casa? O psicólogo aconselha que os pais ouçam músicas que lhe agradem e até mesmo, espalhem fotos pela casa, que lembrem momentos alegres. “É preciso preencher não só a casa, como também o tempo, com atividades pró-ativas”, sugere. Natação, meditação e yoga são ótimas neste sentido.

Vale pensar mais em si e se tiver um companheiro, um apoiar o outro e aproveitar para se reencontrar e pensar nos filhos mas de maneira saudável, sem angustia. Eles certamente vão amadurecer muito como pessoa, ao morar em outra casa ou fora do país. Tudo isso são experiências únicas que vão servir de grande aprendizado aos filhos para o resto da vida. Tirando a “sua dor” e focar mais nos benefícios alcançados a longo prazo por seus filhos, decorrentes dessa mudança, essa é uma outra ótima forma de ao invés de sofrer, vibre com essa nova etapa da vida de seus filhos.

Sobre o autor:

Vandeni Navarro

Vandeni Navarro

Formada em pedagogia pela UNITAU, especializou-se na área de crianças especiais. Mãe de dois filhos, atualmente dedica-se ao blog e a família.
Deixe seu comentário

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *